2 de fevereiro de 2017

BRILHE A LUZ DE DEUS EM NOSSA VIDA

Estimados irmãos e irmãs. Estamos no 5º Domingo do Tempo Comum. Vamos ao encontro da luz de Cristo para que ela ilumine a nossa vida. Desejo que a graça e as bênçãos de Deus estejam sobre você e a sua família.

Provavelmente você já deve ter provado um alimento sem sal. Ele se torna estranho. O sal tem o poder de dar, ou fazer com que o sabor do alimento se manifeste. Ele desaparece depois de dissolvido, mas sua presença é marcante.

Igualmente já deves ter feito a experiência da escuridão seja em casa ou na rua. Sem a luz caminhamos com medo de tropeçar em algum objeto ou cair no buraco. A luz torna as coisas visíveis a nossos olhos. Ausência dela é trevas.

Todos nós acreditamos em alguma coisa. Alguns creem nas magias; outros em deuses criados pelos homens; outros em astros; mas nós cremos em Deus, luz verdadeira que nunca se apaga. Deus manifestado sobretudo na pessoa de Jesus Cristo que se encarnou e se fez um de nós.

No dia dois celebramos a Festa da Apresentação do Senhor. É o próprio Cristo que se manifesta a todos nós como luz do mundo. Ele nos ilumina com o esplendor da sua glória. Vem trazer-nos a salvação.

Quando não temos fé vivemos como que tateando pelo mundo. Buscar luz onde ela não existe é um fracasso. Quando alguém busca fama, sucesso, drogas, dinheiro, poder, está buscando uma luz para si próprio e essa luz não é verdadeira pois ela se acende somente por um momento. A pessoa sente-se frustrada e insaciável. Em algum momento cansa e desanima.

Quando deixamos a luz que é Jesus Cristo iluminar a nossa vida, caminhamos com mais segurança e alegria. Não temos medo das trevas e sabemos que essa luz nunca se apagará. Ele é a luz verdadeira, a luz do mundo.

No Batismo todos nós recebemos a luz de Cristo na vela acesa no Círio Pascal. Então não somos mais das trevas e nem da noite. Somos filhos da luz. Está previsto também, ainda que pouco se aplica, o uso do sal no rito do Batismo. São dois símbolos para mostrar que a nossa vida não pode ser vivida sem sentido e sem a luz.

Quando deixamos Cristo ser a nossa luz, ela também brilha no mundo através das obras de caridade. É por isso que Jesus diz no Evangelho (Mateus 5,13-16) deste Domingo: “brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus”.

O profeta Isaías (58,7-10) também fala de diversas obras de caridade como manifestação do amor de Deus por aqueles que o amam e o seguem.

A lógica de Jesus é diferente. Brilhe a luz para que vendo as boas obras deem glória a Deus Pai. Podemos cair na tentação de fazer coisas só para sermos elogiados. Queremos manifestar a nós mesmos e não o amor de Deus. Quando isso acontece, a nossa motivação vai se esvaziando e vamos desanimando até desistirmos de continuar fazendo o que tínhamos começado.

Quando procuramos sucesso utilizando as coisas de Deus ou o próprio Evangelho, estamos pecando porque não somos nós que devemos aparecer, mas é Jesus Cristo. Não podemos, é claro, esconder essa luz que brilha em nós. Precisamos fazer com que ela ilumine ainda mais a nossa vida e a nossas ações.

Rezemos neste Domingo por aqueles que ainda não encontraram a razão da sua vida e vivem como que insossos. Também por aqueles que vivem mergulhados nas trevas da corrupção, drogas, prostituição, rancor, inveja, maledicência.

Que a luz de Cristo ilumine a nossa vida todos os dias. Amém.

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência.