26 de janeiro de 2017

BEM-AVENTURANÇAS, CAMINHO DE SANTIDADE

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus nosso Senhor!

Vamos ao encontro do Senhor que nos espera em cada santa missa para se revelar a nós na comunidade reunida, na Palavra refletida e na Eucaristia partilhada. Mas não vamos de qualquer jeito. Vamos com o coração aberto, participemos de corpo e espírito para que sejamos santificados sempre mais. A oração deve tomar todo o nosso ser realizando-a com alegria, entusiasmo e fé.

O Evangelho (Mateus 5,1-12a) deste 4º Domingo do Tempo Comum nos apresenta as bem-aventuranças. Elas são, para os cristãos, caminho seguro de santidade. Jesus coloca alguns valores que devem permear a vida dos seus seguidores. Valores que são indispensáveis aos filhos de Deus.

Olhando para o texto do Evangelho vemos o quanto é desafiador vivê-lo pois os não cristãos vivem valores contrários e aparentemente parecem ser mais felizes. Pelo menos, é isso que a mídia mostra muito. Pessoas vivendo apenas pelos seus instintos, desejos, prazeres e felizes. Será? Se fossem felizes realmente não teríamos um número tão alto de pessoas com depressão e suicídios. Estes são sintomas de uma busca por felicidade onde ela não está.

Busca-se a felicidade em coisas passageiras. Assim, esta felicidade torna-se diluída. Hoje estou rindo, amanhã estou chorando. São coisas líquidas, como nos lembra o sociólogo Bauman. Tudo se diluí, de desfaz em instantes. Assim são as pessoas que não colocam como base Deus.

A verdadeira felicidade, oferecida pelo Evangelho, é duradoura e estável. A pessoa permanece mais serena mesmo quando sobrevierem os sofrimentos. Porque ela se fundamenta em valores concretos e que produzem uma paz que ninguém a nada pode nos dar.

Vejamos os valores que o Evangelho de hoje nos apresenta e faça você mesmo uma autocrítica para ver se estás vivendo e como os não cristãos apresentam coisas realmente contrárias a isso.

Jesus diz que são bem-aventurados, ou seja, felizes, os pobres em espírito; os aflitos; os mansos; os que têm fome e sede de justiça; os misericordiosos; os puros de coração; os que promovem a paz; os que são perseguidos por causa da justiça; os que são injuriados por causa do Evangelho.

O que vemos em destaque nas novelas, nos ditos famosos são coisas totalmente contrárias. Para eles o mais feliz é o orgulhoso e o que tem muito dinheiro e posses; aquele que não se preocupa com os irmãos; os que promovem guerras, brigas, discussões, bate boca; os que roubam de todos os lados preocupados apenas consigo mesmos; os que se vingam, matam, assassinam; perdão é para fracassados, é dar o braço a torcer; felizes são os que fazem do prazer um templo de realização e felicidade e assim por diante.

Precisamos nos motivar na prática dos valores evangélicos. Não podemos deixar que o nosso coração, a nossa consciência, as nossas famílias sejam contaminadas por tanto veneno jogado ao vento como se fossem coisas boas. Deus quer a nossa felicidade, mas não qualquer felicidade. A alegria com Deus é da inclusão e não da exclusão. Jesus quer que partilhemos a nossa felicidade com os outros. Que sejamos felizes juntos, que partilhemos da alegria de sermos filhos amados e de estarmos contribuindo na edificação do seu Reino.

Assim a lógica de Deus vai confundindo os que não são simples e humildes. São Paulo ao escrever ao Coríntios (1Cor 1,26-31) nos lembra disso: “Deus escolheu o que o mundo considera fraco, para assim confundir o que é forte”. Sim! Deus é assim mesmo porque Ele não precisa da nossa grandeza miserável, mas da nossa humildade. É Ele quem tudo faz e só pode fazer através daqueles que são simples, humildes, que tem sede de justiça, paz; daqueles que são puros de coração.

Vamos crescer juntos na escola de Jesus Cristo. Não permitamos que o nosso coração seja contaminado.

Abençoado Domingo e abençoada semana.

Pe. Hermes José Novakoski,
Pobre Servo da Divina Providência!

25 de janeiro de 2017

Venha celebrar conosco estes 17 anos de Providência

Santa missa no dia 04/02/2017 às 7h no COV Nazaré

Consagraremos nossas famílias ao Senhor pelas mãos de Nossa Senhora de Nazaré.

Teremos o ingresso dos novos seminaristas.