24 de junho de 2012

Fale de seus sentimentos, tome decisão, se alimente corretamente...

Se não quiser adoecer: “Tome decisão”.
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagens e valores para ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e doenças de pele.

Se não quiser adoecer: “Busque soluções”.
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender um fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.

Se não quiser adoecer: “Não viva de aparências”.
Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho, etc., está acumulando toneladas de peso… uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, hospital, a dor.

Se não quiser adoecer: “Aceite-se”.
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos algozes em nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável. Os que não aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se , aceitar e ser aceito, aceitar as críticas é sabedoria, bom senso e terapia.

Se não quiser adoecer: “Confie”.
Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.

Se não quiser adoecer: “Não viva sempre triste”.
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive. “O bom humor nos salva das mãos do doutor”.

Alegria é saúde e terapia.

Dr. Drauzio Varela

10 de junho de 2012

ANSIEDADE...

"..as pessoas do nosso tempo são impacientes e querem ver os resultados antes de terem completado as causas..." (Buddho por Phra Ajaan Thate Desaransi Traduzido do Tailandês por Thanissaro Bhikkhu)

Assim caminhamos sobre a face da Terra, impacientes e até agressivos, egoisticamente buscando o prazer imediato, os relacionamentos que não demoram, a comida fast, os amigos prestativos, de preferência que não critiquem, apenas ouçam, ou digam amém aos nossos problemas.

Rápido, mais rápido, já não aguentamos a lentidão da Internet que já usa o cabo, a banda larga, a fibra ótica, mas que ainda é lenta para nossa ansiedade.

Se tudo tem um tempo debaixo do sol, esse tempo deveria ser ontem e não amanhã, no conceito humano moderno, haja visto que as notícias correm o mundo em instantes, as cobranças chegam via e-mail, as traições são fotografadas em câmeras digitais e enviadas via internet em segundos, mas o coração continua sua marcha constante, bombeando sangue para as artérias, sem se preocupar com seu estado, alterando a pressão de acordo com a sua ansiedade, mas, sem deixar de fazer a sua parte.

Acalme sua mente, encontre um espaço para relaxar, um momento onde você possa contemplar, parar de julgar, analisar e criar situações que só você vê, tentar realmente descobrir o que você precisa, não o que pensa querer.

Neste exato momento, tolos e mais tolos estão correndo atrás do nada, buscando o imaginário, sofrendo por antecipação com o que nem sabem se irá acontecer ou não, muitos irão morrer nesta tarde por nada, pelo nada e levarão esse "nada" além túmulo, um vazio na alma, por não aprenderem a silenciar-se, a buscar dentro de si mesmos, as respostas que buscam, por jogar uma semente aqui e acolá e não terem tido paciência de esperar os frutos, preferiram ir ao super mercado, e acabaram comprando frutas verdes.

Você precisa descobrir o seu tempo, transformar a sua mente em um templo sagrado e respeitar a necessidade de esperar cada semente dar o seu fruto, você planta, você colhe, pode demorar um pouco, mas a colheita é certa, por isso, acalme-se, concentre-se no que realmente importa, descubra-se!

Eu acredito em você!


Paulo Roberto Gaefke

6 de junho de 2012

A festa de Corpus Christi

A Festa de Corpus Christi é a celebração em que solenemente a Igreja comemora a instituição do Santíssimo Sacramento da Eucaristia; sendo o único dia do ano que o Santíssimo Sacramento sai em procissão às nossas ruas.

Propriamente é a Quinta-feira Santa o dia da instituição, mas a lembrança da Paixão e Morte do Salvador não permite uma celebração festiva. Por isso, é na Festa de Corpus Christi que os fiéis agradecem e louvam a Deus pelo inestimável dom da Eucaristia, na qual o próprio Senhor se faz presente como alimento e remédio de nossa alma. A Eucaristia é fonte e centro de toda a vida cristã. Nela está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, o próprio Cristo.

A Festa de Corpus Christi surgiu no séc. XIII, na diocese de Liège, na Bélgica, por iniciativa da freira Juliana de Mont Cornillon, (†1258) que recebia visões nas quais o próprio Jesus lhe pedia uma festa litúrgica anual em honra do sacramento da Eucaristia.

Aconteceu, porém, que quando o padre Pedro de Praga, da Boêmia, celebrou uma Missa na cripta de Santa Cristina, em Bolsena, Itália, aconteceu um milagre eucarístico: da hóstia consagrada começaram a cair gotas de sangue sobre o corporal após a consagração. Alguns dizem que isto ocorreu porque o padre teria duvidado da presença real de Cristo na Eucaristia.

O Papa Urbano IV (1262-1264), que residia em Orvieto, cidade próxima de Bolsena, onde vivia S. Tomás de Aquino, informado do milagre, então, ordenou ao Bispo Giacomo que levasse as relíquias de Bolsena a Orvieto. Isso foi feito em procissão. Quando o Papa encontrou a Procissão na entrada de Orvieto, teria então pronunciado diante da relíquia eucarística as palavras: “Corpus Christi”.

Em 11 de agosto de 1264 o Papa emitiu a bula "Transiturus de mundo", onde prescreveu que na quinta-feira após a oitava de Pentecostes, fosse oficialmente celebrada a festa em honra do Corpo do Senhor.

São Tomás de Aquino foi encarregado pelo Papa para compor o Ofício da celebração. O Papa era um arcediago de Liège e havia conhecido a Beata e percebido a luz sobrenatural que a iluminava e a sinceridade de seus apelos.

Em 1290 foi construída a belíssima Catedral de Orvieto, em pedras pretas e brancas, chamada de "Lírio das Catedrais". Antes disso, em 1247, realizou-se a primeira procissão eucarística pelas ruas de Liège, como festa diocesana, tornando-se depois uma festa litúrgica celebrada em toda a Bélgica, e depois, então, em toda o mundo no séc. XIV, quando o Papa Clemente V confirmou a Bula de Urbano IV, tornando a Festa da Eucaristia um dever canônico mundial.

Em 1317, o Papa João XXII publicou na Constituição Clementina o dever de se levar a Eucaristia em procissão pelas vias públicas.

A partir da oficialização, a Festa de Corpus Christi passou a ser celebrada todos os anos na primeira quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade. A celebração normalmente tem início com a missa, seguida pela procissão pelas ruas da cidade, que se encerra com a bênção do Santíssimo.

Todo católico deve participar dessa Procissão por ser a mais importante de todas que acontecem durante o ano, pois é a única onde o próprio Senhor sai às ruas para abençoar as pessoas, as famílias e a cidade.

Em muitos lugares criou-se o belo costume de enfeitar as casas com oratórios e flores e as ruas com tapetes ornamentados, tudo em honra do Senhor que vem visitar o seu povo. Tudo isto tem muito sentido e deve ser preservado.

Começaram assim as grandes procissões eucarísticas e também o culto a Jesus Sacramentado foi incrementado no mundo todo através das adorações solenes, das visitas mais assíduas às Igrejas e da multiplicação das bênçãos com o Santíssimo no ostensório por entre cânticos cada vez mais admiráveis.

Surgiram também os Congressos Eucarísticos, as Quarenta Horas de Adoração e inúmeras outras homenagens a Jesus na Eucaristia. Muitos se converteram e todo o mundo católico.

O culto eucarístico não começou no século XIII, pois começou desde o Cenáculo, quando Jesus instituiu a sagrada Eucaristia. Mas faltava, porém, uma festa especial para agradecer ao "Prisioneiro dos Sacrários" esta presença inefável que o faz contemporâneo de todas as gerações cristãs.

Era necessário, realmente, uma data distinta para que se manifestasse um culto especial ao Corpo e Sangue de Cristo, atraindo d’Ele novas graças e bênçãos para os que caminham neste mundo.

Prof. Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com